Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

As cosmologias de Xul Solar




“Xul Solar criou várias cosmogonias.. em uma única tarde!”. Frase de Jorge Luis Borges sobre seu amigo e pintor Xul Solar.

Discurso de Borges

Señoras, Señores:

En el curso de una larga vida, -he cumplido 81 años-, conocí a mucha gente famosa. Conocí y olvidé a muchas. Pero algunos persisten, y me acompañan. Pienso en primer término en mi padre. También en personas famosas que conocí, sé que los conocí como sé por ejemplo que estuve en Connecticut y en Valencia; pero hay tres de ellas que querría nombrar, que son el gran poeta judeo-andaluz Rafael Cansinos Assens, Macedonio Fernández y, quizás más que ningún otro, Alejandro Xul Solar. No recuerdo cuándo nos conocimos. Hablamos inventado que nos habíamos conocido en tal o cual lugar, pero no recuerdo ahora cuál es. No sé si ustedes conocieron personalmente a Xul Solar. Algunos lo habrán conocido, otros no. Me parece estar viendo a ese hombre alto, rubio y evidentemente feliz. Creo que uno puede simular muchas cosas, pero nadie puede simular la felicidad. En Xul Solar, se sentía la felicidad: la felicidad del trabajo y, sobre todo, de la continua invención. Era de origen italiano; italiano del norte, su madre se llamaba Salan y su padre Schulz, del Báltico. Es decir que tendría sin duda sangre prusiana, sangre eslava, quizás alguna sangre escandinava y luego, sangre de los italianos del norte, germánica. Me dijo una vez que había nacido en San Fernando y había viajado por todo el mundo. Creo que Xul tendría unos catorce años cuando fue como polizón en un barco que iba a Inglaterra; trabajaba como marinero, y luego leía. Recuerdo que alguien a bordo le preguntó qué estaba haciendo, y él dijo que había cumplido con su trabajo y que estaba leyendo, y el otro le contestó: “Una filosofía muy peligrosa para un joven, eso de estar leyendo y descansando. Recuerdo que Xul me dijo que llegó a Inglaterra, desembarcó y que lo primero que vió fueron dos hindúes; pensó que eso era “a good ornen”, un buen presagio. Hablaba inglés perfectamente y el alemán lo había heredado, y ya que he hablado del inglés y del alemán recuerdo haber pasado tantas tardes en su casa, en la calle Laprida 1214, en esa espléndida biblioteca, quizás una de las mejores bibliotecas que yo he visto en mi vida, con libros en todos los idiomas.Solíamos pasar a tarde leyendo a Swedenborg, leyendo la música de Swedenborg, leyendo a Blake, leyendo no solamente la música de Blake, sino lo místico de Blake, la magia de Blake. Si yo tuviese que comparar a Xul con algún otro -pero Xul era único, quizás cada individuo sea único pero en él se notaba más esa unicidad- lo compararía con William Blake precisamente, ya que William Blake fue un místico como él, fue un visionario y fue un gran poeta (además de grabador). Xul fue poeta, pero lo hizo en los dos idiomas inventados por él. Tenemos, pues, esta primera definición de Xul Solar. Voy a tratar de descubrir otra. Diría que nosotros, o casi todos nosotros, vivimos aceptando el universo, aceptando tradiciones, conformándonos a las cosas. En cambio, Xul vivía recreando el universo. Lo recreaba en cada momento. Creo que los teólogos dicen que el estado del mundo es una perpetua creación. Es decir, si Dios dejara de pensar en nosotros en este momento, desapareceríamos aniquilados por su olvido. Dios nos piensa en cada momento. A Xul esto no le bastaba. Xul recreaba el universo. Hablo de Xul y pienso en una imagen, no sé si es de Conrad o si es mía, total qué importa, las imágenes son las mismas, y es ésta: es la de un navegante que atraviesa el mar y ve una línea que es una realidad en el horizonte. Y entonces piensa: esa realidad es el Africa, o es Asia o América. Y piensa que detrás de esa claridad, esa vaga línea que él apenas descifra en el horizonte, que detrás de esa vaga claridad hay un continente. En ese continente hay religiones, dinastías, ciudades, selvas, desiertos, hay muchas cosas. Pero que a él le toca ver simplemente esa línea. Ahora siento que en este momento soy ese navegante. Tengo que hablar de ese gran continente, de este vasto país con sus imperios, su historia y sus mitologías, su botánica y su zoología, todo eso que fue Xul Solar. No sé si lo he alcanzado; creo que no. Pero he percibido lo bastante para sentir ahora el vértigo; siento el vértigo de todo aquello infinito que vi en Xul, de lo cual me fue dado discernir algo. Muy poco, desde luego, pero lo bastante para saber que yo he estado frente a un hombre de genio. Se ha abusado de la palabra genio, pero en este caso creo que es indudable.Veamos algunas de las innovaciones que él propuso, ya que vivía modificando la realidad. Sé que han quedado muchos manuscritos suyos, -no sé si escritos en la Pan lengua o en lo que él llamaba el Creol -. Creo que la Pan lengua era un idioma universal. Un idioma formado un poco a la manera del Volapük pero sin lo ingrato, lo desagradable del Volapük. Ustedes saben que cada idioma tiene ciertas posibilidades de las que carecen otros. Por ejemplo, usted puede combinar en inglés o en alemán, verbos con preposiciones, es decir, como dice Kipling: “Ride the moon out of the sky, their hoofs dream up the door, think away.. ; eso no puede hacerse en castellano. Xul creó un idioma en el cual eso era posible. Hay formas de verbo que se han perdido: por ejemplo, los gladiadores le decían al César: Morituri te salutat’ (los que van a morir te saludan). Pues, esa forma se ha perdido. O la forma “ando’, que viene de “andus’ que quiere decir “lo que será, o lo que debe ser”. Por ejemplo: Amanda: la que debe ser amada. Esa forma del verbo se ha perdido, y creo que en la Pan-lengua de Xul existían todas las formas posibles. Cada idioma tiene alguna posesión secreta. Por ejemplo en castellano hay una di­ferencia que no se da en otros idiomas, entre ser y estar: una cosa es estar enfermo y otra es ser enfermo; estar triste y ser triste. Hay otros idiomas que no permiten esta diferencia, lo cual es una pobreza. Uno puede decir en castellano, “estaba solita”; eso podría decirse en inglés: “she was all alone”. Pero, ¿cómo decir “estaba sentadita”? Yo creo que no puede decirse en otros idiomas, porque sentadita significa que una persona está sentada y al mismo tiempo se expresa la ternura y el cariño que uno siente por ella: esta es una posibilidad del idioma castellano. Xul imaginó un idioma, la Panlengua, basado en la astrología. Creía sinceramente en la astrología, lo cual quiere decir que creía en la pluralidad de los astros o de los dioses. Xul me dijo: “Qué raro que la gente piense que es mejor creer en un solo Dios. Es un error. Si Dios es bueno, conviene que haya muchos dioses. Cuanto más dioses, mejor”. Y él aceptaba una pluralidad de dioses: por lo pronto, los dioses que corresponden a los planetas, a los días de la semana. El hablaba de Venus y creía que hay una divinidad llamada Venus. A una amiga mía le dijo: “Cuando usted sonríe, cuando usted mira, ¿por qué brillan sus ojos? ¿Por qué su sonrisa nos atrae? Porque es Venus la que sonríe”. Creó otro idioma, en el cual ha dejado buena parte de su obra: el Creol. Era un español enriquecido con las riquezas de otros idiomas. No un idioma absoluto; un idioma con raíces españolas y además con palabras tomadas de otras lenguas. Por ejemplo, decía: “Juguete, ¿qué es un juguete? Es un jugo inmundo. Es una palabra despectiva”. En cambio él prefería la palabra inglesa “toy”, y entonces decía: “se toy-besan, es decir se besan en broma, o “se toy-quieren”. El usaba continuamente palabras de este tipo. Le preocupaba mucho el adverbio. Me hizo notar, esto lo he repetido muchas veces después, que en castellano cuando usamos un adverbio, el acento cae sobre el sufijo mecánico. Por ejemplo, si decimos “rápidamente” o lo contrario, “lentamente”, lo que se oye es la parte mecánica, el “mente”. En cambio si se dice en inglés “quickly, slowly”, la parte mecánica, el gadjet, el artefacto, el ly’ casi no se oye, pero sí se oye, en “swiftly, slowly”, el “swift” y el “slow”. El había propuesto que se usara el “ue” como adverbio. Recuerdo un día en que fui a la casa de Victoria Ocampo y él dijo: “Tengo una gran noticia”; le preguntamos cuál era. La gran noticia era: “ha muerto el adverbio’. El había oído gente que decía: “Que le vaya lindo’, en lugar de: “Que le vaya lindamente’. Entonces él anunció que había muerto el adverbio, que ya podía reemplazarse por un adjetivo usado después de un verbo; y explicó eso largamente, y luego -estamos entre amigos, seamos infidentes, por qué no- después de una larga explicación ,Victoria le dijo: “Pero Xul, ¿qué es el adverbio?”. Claro, Victoria, autodidacta, sabía muchas cosas e ignoraba otras; el adverbio quedaba un poco lejos; Xul tuvo que explicárselo. Recuerdo también una señora, la marquesa de... para qué decir su nombre, digamos XYZ, que hubiera podido ser mecenas para Xul. Le hablamos a esta señora, lo conoció a Xul, Xul fue muy cortés con ella. Xul tenía una extraordinaria cortesía. Recuerdo que a cualquier casa que iba, lo daba la mano a la gente de servicio, se despedía de ellos, cosa que no se usaba entonces; no sé si se usa ahora tampoco, (posiblemente no haya más gente de servicio por lo cual esa cortesía es inútil). Esa señora había resuelto la ayuda a Xul y le preguntó algo. Xul contestó: “No sabo”. Xul era el hombre más capaz de amistad que he conocido. Creo que le debo quizás las mejores horas de mi vida, leyendo y discutiendo, y, sobre todo, dejándome enseñar por él. Recuerdo uno de los primeros sueldos que cobré -un sueldo de trescientos pesos, que significaban algo-. Pensé: Xul tiene tantos amigos ricos, no le han comprado un solo cuadro. Voy a destinar parte de este primer sueldo que gano -después de muchos meses de no ganar nada- y voy a comprar un cuadro de Xul. Le pregunté el precio de un cuadro suyo. Me dijo:“Son cien pesos. Voy a hacerle precio de amigo: le cobro cincuenta”. Me cobró cincuenta y me regaló además otro cuadro mucho más grande. Un rasgo muy lindo en Xul: Xul se negó siempre al comercio. Pensaba que la pintura era una de las artes liberales, y la ejercía con felicidad. Recuerdo también una herejía de Xul: no sé si ahora puede hablarse mal de Picasso. Hacia 1925 o 1930, no se podía. Y Xul dijo alguna vez que él pensaba que Klee era muy superior a Picasso. Eso no le fue perdonado. Tampoco el Creol, aunque fue imitado después por otros escritores. Dije que Xul vivía inventando continuamente. Había inventado un juego, una suerte de ajedrez, más complicado -como el diría más “pli”, porque en lugar de complicado decía “pli”. Un ajedrez más “pli” y quiso explicármelo muchas veces. Pero a medida que lo explicaba, comprendía que su pensamiento ya había dejado atrás lo que explicaba, es decir que al explicar iba enriqueciéndolo y por eso creo que nunca llegué a entenderlo, porque él mismo se daba cuenta de que lo que él decía ya era anticuado y agregaba otra cosa. En cuanto lo había dicho, ya era anticuado y había que enriquecerlo. De modo que no sé en qué quedó esto pan-juego, pero creo que hay gente que lo juega. Posiblemente hay gente que “pan-yo­ga”, como decía él, (que “pan-juega”). Espero que se haya conservado esto: una de sus muchas invenciones. (*)

(*) Fuente: Texto procedente de Material de consulta en Museo Xul Solar, ubicado en Láprida 1212 en la Ciudad de Buenos Aires, Argentina. Página Museo: www.xulsolar.org.ar

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

QUERO AMIGOS

Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois ao vê-los loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que a "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.
NORMA Oscar Wilde

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Conversas noturnas

"Palavra prima/ Uma palavra só,/ a crua palavra /Que quer dizer Tudo
Anterior ao entendimento,/ palavra/Palavra viva/
Palavra com temperatura, palavra/Que se produz//Muda
Feita de luz mais que de vento, palavra" Chico Buarque

Uma conversinha boa é capaz de produzir milagres, no meio da noite com um amigo distante, com afeto, uma permuta de vivências. Sonhos bons e realidades se mesclam.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

História da Eternidade - Borges


Leia trecho de "História da Eternidade".

*
No trecho das Enéadas cujo objetivo é interrogar e definir a natureza do tempo, afirma-se que é indispensável conhecer previamente a eternidade, que - como todos sabem - é o modelo e o arquétipo daquele. Essa advertência preliminar, tanto mais grave se acreditamos que é sincera, parece aniquilar toda esperança de que nos entendamos com o homem que a escreveu. O tempo para nós é um problema, um problema trepidante e exigente, talvez o mais vital da metafísica; a eternidade, um jogo ou uma fatigada esperança. Lemos no Timeu de Platão que o tempo é uma imagem móvel da eternidade; e isso não passa de uma consonância que não demove ninguém da convicção de que a eternidade é uma imagem feita com substância de tempo. Essa imagem, essa palavra tosca enriquecida pelos desentendimentos humanos, é o que me proponho historiar.

Invertendo o método de Plotino (único modo de utilizá-lo), começarei inventariando as obscuridades inerentes ao tempo: mistério metafísico, natural, que deve preceder a eternidade, que é filha dos homens. Uma dessas obscuridades, não a mais difícil mas tampouco a menos bela, é a que nos impede de estabelecer a direção do tempo. Que ele vai do passado para o futuro é a crença mais comum, mas a crença oposta não é mais ilógica - a que foi fixada em verso espanhol por Miguel de Unamuno:

Noturno o rio das horas flui
do manancial que é o amanhã
eterno...¹

Ambas são igualmente verossímeis - e igualmente inverificáveis. Bradley nega as duas e oferece uma hipótese pessoal: excluir o futuro, que é uma mera construção de nossa esperança, e reduzir o "atual" à agonia do momento presente desintegrando-se no passado. Essa regressão temporal costuma corresponder aos estados declinantes ou insípidos, enquanto toda e qualquer intensidade nos dá a impressão de avançar para o futuro... Bradley nega o futuro; uma das escolas filosóficas da Índia nega o presente, por considerá-lo inapreensível. "A laranja está a ponto de cair do galho, ou já está no chão", afirmam esses estranhos simplificadores. "Ninguém a vê cair."

O tempo propõe outras dificuldades. Uma delas, talvez a maior, a de sincronizar o tempo individual de cada pessoa com o tempo geral da matemática, foi amplamente alardeada pelo recente alarme relativista, e todos se lembram dela - ou pelo menos se lembram de lembrar-se dela até há bem pouco tempo. (Eu a retomo assim, deformando-a: Se o tempo é um processo mental, como é possível que milhares de homens o partilhem, ou mesmo dois homens diferentes?) Outra é a destinada pelos eleatas à refutação do movimento. Essa pode ser resumida nestas palavras: "É impossível que em oitocentos anos de tempo transcorra um período de catorze minutos, porque primeiro é indispensável que tenham se passado sete, e antes de sete, três minutos e meio, e antes de três e meio, um minuto e três quartos, e assim infinitamente, de modo que os catorze minutos nunca se completam". Russell rebate esse argumento afirmando a realidade e mesmo a vulgaridade dos números infinitos, que se dão de uma vez só, por definição, e não como termo "final" de um processo enumerativo sem fim. Esses algarismos anormais de Russell são uma boa antecipação da eternidade, que também não é possível definir pela enumeração de suas partes.

Nenhuma das diversas eternidades planejadas pelos homens - a do nominalismo, a de Irineu, a de Platão - é uma adição mecânica de passado, presente e futuro. Trata-se de algo mais simples e mais mágico: a simultaneidade desses tempos. A linguagem comum e aquele dicionário assombroso dont chaque édition fait regretter la precedente parecem ignorá-lo, mas assim a pensaram os metafísicos. "Os objetos da alma são sucessivos, agora Sócrates e depois um cavalo - leio no quinto livro das Enéadas -, sempre uma coisa isolada que se concebe e milhares que se perdem; mas a Inteligência Divina abarca todas as coisas conjuntamente. O passado está em seu presente, bem como o futuro. Nada transcorre neste mundo, no qual persistem todas as coisas, quietas na felicidade de sua condição."

¹ O conceito escolástico do tempo como a fluência do potencial no atual é afim a essa ideia. Cf. os objetos eternos de Whitehead, que constituem o "reino da possibilidade" e ingressam no tempo.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Felicidade

Há uma abelha que pousa sobre uma rosa, suga-a e vai embora...
Em suma , a felicidade é uma coisa pequena.
Trilusa, poeta italiana

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Tempo

De tempo somos. Somos seus pés e suas bocas. Com os pés do tempo caminham os nossos pés. Cedo ou tarde, já sabemos os ventos dos tempos apagarão as pegadas. Travessia do nada. Passos de ninguém? As bocas do tempo contam.
Do Livro A boca do Tempo

Sou um poeta do mato

Sou um poeta do mato
Vivo afastado dos meios
Minha rude lira canta
Casos bonitos e feios
Eu canto meus sentimentos
E sentimentos alheios

Patatativa de Assaré
Eis a simplicidade e clareza dos gênios que dizem muito em poucas palavras

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Filosofar sempre


ENunca se protele o filosofar quando se é jovem, nem canse o fazê-lo quando se é velho, pois que ninguém é jamais pouco maduro nem demasiado maduro para conquistar a saúde da alma.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

LUA E SOL

Dizem que a Lua e Sol nunca se encontram. Ontem foi uma linda noite de lua cheia, iluminando os sonhos, os amores, as almas carentes, os solitários e os acompanhados. O sol hoje se fez presente, está um lindo dia. Da janela dá para ver as pessoas com roupas leves a caminho do parque. Os cientistas dizem que a lua está encolhendo e ficando feia, tal uma maça murcha. Que pena! O sol não é masculino, é uma estrela. Michuruca, de quinta grandeza. Tomara que ele brilhe por muitos dias enquanto a lua brinca de esconde-esconde nas suas fases. Ela míngua e cresce. Eles nunca se encontram, mas devem ter um código misterioso, um esconderijo oculto para um encontro furtivo. Se eles realmente se amam devem burlar os mapas dos astros e as rotas dos cientistas. Deve ser delicioso beijo quente de sol e iluminado de luar.

domingo, 8 de agosto de 2010

MUITO ALÉM DAS DATAS

Uma garoa fina cai sobre Porto Alegre, os parques quase vazios, poucas bandeiras e seus militantes. A Nona enfeitou-se para vender suas pipocas, pipocaram poucos fregueses, os fiéis seguidores de Cuba estavam lá, o ritual de sempre. Outras bandeiras sumiram entre as gotas da garoa, afinal os militantes cumprem seus horários, as promessas são as mesmas, mudam as cores, os números, os panfletos.

domingo, 18 de julho de 2010

Chove chuva


É a chuva que chove, escorrega preguiçosa pelos telhados, lava as calçadas. O frio é seu atual companheiro. Chuva e frio são pares sazonais, imersos no líquido gelado, casam-se e descasam-se ao sabor das mudanças climáticas, das ondas e dos choques térmicos que nascem na Patagônia.
Os homens e as mulheres espreitam pelas vidraças, às vezes invejando o estranho amor molhado da natureza.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

O ENCANTO DOS ORIXÁS - Leonardo Boff

Quando atinge grau elevado de complexidade, toda cultura encontra sua expressão artística, literária e espiritual. Mas ao criar uma religião a partir de uma experiência profunda do Mistério do mundo, ela alcança sua maturidade e aponta para valores universais. É o que representa a Umbanda, religião, nascida em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1908, bebendo das matrizes da mais genuína brasilidade, feita de europeus, de africanos e de indígenas. Num contexto de desamparo social, com milhares de pessoas desenraizadas, vindas da selva e dos grotões do Brasil profundo, desempregadas, doentes pela insalubridade notória do Rio nos inícios do século XX, irrompeu uma fortíssima experiência espiritual.
 
O interiorano Zélio Moraes atesta a comunicação da Divindade sob a figura do Caboclo das Sete Encruzilhadas da tradição indígena e do Preto Velho da dos escravos. Essa revelação tem como destinatários primordiais os humildes e destituídos de todo apoio material e espiritual. Ela quer reforçar neles a percepção da profunda igualdade entre todos, homens e mulheres, se propõe potenciar a caridade e o amor fraterno, mitigar as injustiças, consolar os aflitos e reintegrar o ser humano na natureza sob a égide do Evangelho e da figura sagrada do Divino Mestre Jesus.
O nome Umbanda é carregado de significação. É composto de OM (o som originário do universo nas tradições orientais) e de BANDHA (movimento incessante da força divina). Sincretiza de forma criativa elementos das várias tradições religiosas de nosso país criando um sistema coerente. Privilegia as tradições do Candomblé da Bahia por serem as mais populares e próximas aos seres humanos em suas necessidades. Mas não as considera como entidades, apenas como forças ou espíritos puros que através dos Guias espirituais se acercam das pessoas para ajudá-las. Os Orixás, a Mata Virgem, o Rompe Mato, o Sete Flechas, a Cachoeira, a Jurema e os Caboclos representam facetas arquetípicas da Divindade. Elas não multiplicam Deus num falso panteísmo, mas concretizam, sob os mais diversos nomes, o único e mesmo Deus. Este se sacramentaliza nos elementos da natureza como nas montanhas, nas cachoeiras, nas matas, no mar, no fogo e nas tempestades. Ao confrontar-se com estas realidades, o fiel entra em comunhão com Deus.
A Umbanda é uma religião profundamente ecológica. Devolve ao ser humano o sentido da reverência face às energias cósmicas. Renuncia aos sacrifícios de animais para restringir-se somente às flores e à luz, realidades sutis e espirituais.
Há um diplomata brasileiro, Flávio Perri, que serviu em embaixadas importantes como Paris, Roma, Genebra e Nova York que se deixou encantar pela religião da Umbanda. Com recursos das ciências comparadas das religiões e dos vários métodos hermenêuticos elaborou perspicazes reflexões que levam exatamente este título O Encanto dos Orixás, desvendando-nos a riqueza espiritual da Umbanda. Permeia seu trabalho com poemas próprios de fina percepção espiritual. Ele se inscreve no gênero dos poetas-pensadores e místicos como Álvaro Campos (Fernando Pessoa), Murilo Mendes, T. S. Elliot e o sufi Rumi. Mesmo sob o encanto, seu estilo é contido, sem qualquer exaltação, pois é esse rigor que a natureza do espiritual exige.
Além disso, ajuda a desmontar preconceitos que cercam a Umbanda, por causa de suas origens nos pobres da cultura popular, espontaneamente sincréticos. Que eles tenham produzido significativa espiritualidade e criado uma religião cujos meios de expressão são puros e singelos revela quão profunda e rica é a cultura desses humilhados e ofendidos, nossos irmãos e irmãs. Como se dizia nos primórdios do Cristianismo que, em sua origem também era uma religião de escravos e de marginalizados, "os pobres são nossos mestres, os humildes, nossos doutores".
Talvez algum leitor/a estranhe que um teólogo como eu diga tudo isso que escrevi. Apenas respondo: um teólogo que não consegue ver Deus para além dos limites de sua religião ou igreja não é um bom teólogo. É antes um erudito de doutrinas. Perde a ocasião de se encontrar com Deus que se comunica por outros caminhos e que fala por diferentes mensageiros, seus verdadeiros anjos. Deus desborda de nossas cabeças e dogmas.
 

[Autor de Meditação da Luz. O caminho da simplicidade. Vozes 2009].

terça-feira, 6 de julho de 2010

A bola

A BOLA NÃO É INIMIGA COMO O TOURO, NUMA CORRIDA EMBORA SEJA UM UTENSÍLIO CASEIRO E QUE USA SEM RISCO, NÃO É UTENSÍLIO IMPESSOAL SEMPRE MANSO DE GESTO USUAL, E UTENSÍLIO SEMIVIVO, DE REAÇÕES PRÓPRIAS COMO BICHO.

JOÃO CABRAL DE MELO NETO

quarta-feira, 23 de junho de 2010

O que os poetas dizem sobre o Tédio

"Não há guarda-chuva contra o tédio:
o tédio das quatro paredes, das
quatro estações,
dos quatro pontos cardeais.
João Cabral de Melo Neto


Em sua luz se banha
A solidão de vozes segredadas.
Manuel Bandeira

terça-feira, 22 de junho de 2010

AS PALAVRAS EM BUSCA DE RESPOSTAS

AS PALAVRAS EM BUSCA DE RESPOSTAS
O que será que acontece com as palavras quando elas desaparecem?

Ou será que brincam de esconde-esconde e temos buscá-las nos esconderijos dos tempos. Para onde vão as juras de amor eterno ou as terríveis sentenças de amores findos.
“Tantas palavras que eu conhecia, saíram de cartaz”. Seria muita ousadia questionar o Chico Buarque. Não me animo. Sou uma tiete inveterada e ficaria muda na sua presença. O Chico alimenta eternamente o imaginário da minha geração, dá alento aos devaneios existenciais transcende o tempo vivo. Ele fala, eu calo. Na sua presença eu fico a contemplar seus olhos multicoloridos. Bem que gostaria, é claro. Sonhar viajando nas canções ainda é permitido.

O que acontece quando as imagens valem mais que mil palavras?

Ai teria que buscar as chaves guardadas pelo Almodóvar. Meu Deus! É paranóia, megalomania? Não sei, ou não quero admitir. As mulheres do cineasta são reais, mesmo na pele de seus personagens. São engraçadas, riem e choram com elegância, só Almodóvar é capaz de dosar elegância nas horas trágicas. É elegante também na denúncia que permeia o mundo feminino. É permitido enlouquecer com ele, cantar, dançar e volver às origens.
Dedico a todos os homens solidários mesmo que não sejam poetas nem cineastas

domingo, 20 de junho de 2010

VIDAS PARALELAS


Monday, February 19, 2007
VIDAS PARALELAS
Das muitas veredas que percorremos, em quase todas ficaram as nossas marcas indeléveis. Sinais, cifras e traços, às vezes invisíveis aos olhos dos transeuntes desavisados, mas perceptíveis aos caminhantes que como nós portadores de sonhos e com espírito apaixonado.
Foram, também, nas mesmas veredas que nos perdemos e nos achamos e nas quebradas das ruas desertas permanecem os vestígios dos nossos beijos furtivos, a gostosura dos nossos amassos e nossa imensa fome de amor, permanentemente insaciável. Tudo muito rápido, às escuras, com medo do flagra. E, nesse vai e vem experimentamos os riscos das noites breves, mas intensas em que tínhamos como fiel companheiro: o perigo. Viver sempre é perigoso. Nossas roupas coloridas brilhavam a luz da lua e os nossos corpos desfrutavam o sabor da aragem que refrigera as almas e que funcionava como antídoto
Quando o dia raiava éramos essencialmente normais, normalíssimos, tão certinhos e marcadamente monótonos. Desempenhávamos com eficiência a nossa rotina a luz do sol, os passos certos, os sentimentos contidos. Parecíamos seres andróginos, assexuados, desprovidos de alma e sem imaginação. Discretíssimos como convinha aos prudentes papéis que nos destinaram. Era assim que sobrevivíamos para enfrentar o tempo através das nossas camuflagens. Ninguém nos reconhecia atrás daquelas vestes em preto e branco, do terno, da gravata e da comportada saia midi ou do terninho de executiva.
Na noite, éramos poetas, compúnhamos versos, e como tais conseguíamos captar as mensagens dos tempos e nos arvoramos profetas e menestréis para anunciar o mundo novo. Mas, como o mundo colorido estava ainda distante, nos restava semear na escuridão. E na escuridão semeamos, capinávamos os cardos, os espinhos que espetavam nossas mãos românticas. Sempre, sempre assim, até o próximo amanhecer.
E, assim vivemos noites e noites, dias e dias, crepúsculos e auroras. Amassávamos de noite e nos alisávamos de dia.
Escrevi para lembrar dos nossos sonhos sonhados e vividos.

A flor mais grande do mundo

Um legado de Saramago

http://www.youtube.com/watch?v=-KTL94Rl7CI&feature=related

Parar, ouvir, ler e refletir

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Schopenhauer



Para Arthur Schopenhauer (1788-1860),não é a razão e sim a intuição, a ferramenta intelectual que possibilita alcançar e captar o coração da realidade. Segundo o filósofo, o coração é a vontade de viver, a realidade absoluta. Esta vontade é essencial, é a realidade divina que rege tudo. É a energia universal, um impulso ilimitado, com pluralidade de manifestações, que vivenciamos na força da gravidade, na exuberância das plantas, na vitalidade dos animais e na força dos desejos humanos.
Arthur Schopenhauer (1788-1860)




quinta-feira, 10 de junho de 2010

SE ESTÁ SÓ....

SE ESTÁS SÓ
NÃO TE APOIES CONTRA A






BALAUSTRADA, DIZ O POETA CHINÊS. NÃO É A ALTURA NEM A NOITE E SUA LUA NÃO SÃO OS INFINITOS À VISTA
É A MEMÓRIA E SUAS VERTIGENS.
ISTO QUE VEJO, ISTO QUE GIRA, SÃO AS CILADAS, AS ARMADILHAS, ATRÁS NÃO HÁ NADA. SÃO AS DATAS E SEUS REMOINHOS.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

SOBRE LIVROS E CORRENTES


SOBRE LIVROS E CORRENTES
UM TEMPO PARA NÃO ESQUECER

Ivone Bengochea[1]
Se há tempo para tudo debaixo do sol, como apregoa o texto bíblico, deve haver um tempo para não esquecer que a terra gira em torno do sol. Muitos ainda pensam que a terra é centro do mundo, não obstante a chuva de informações a respeito e o martírio de Giordano Bruno. Pior, muitos acham que o mundo gira em direção aos seus umbigos e, consequentemente eles são o umbigo do mundo.
Não somente os poderosos pensam assim. Aliás, os poderosos do mundo podem pensar assim. Eles são poderosos e ponto final, pelo menos até o próximo parágrafo. O problema são os que se pensam poderosos com seus discursinhos decorados e acorrentados pelas suas pretensas e difusas ideologias. Ideologias que não passam pelo crivo de uma sentença indignada do velho Marx. Qual ideologia meu bem? Aquela que eu preciso para viver? Ou por aquela que eles professam e não sabem a razão? Uma oficina sobre a Grécia Antiga é um perigo, os gregos são perigosos e não se coadunam ideologicamente com os contemporâneos líderes dos professores..
Alguém disse que “a glória não paga nada e extingue-se.” Certamente os antigos sabiam disso, os contemporâneos são pagos e exaltam-se, mesmo que sejam extintos. Como extinguiram a biblioteca da nossa entidade de classe e a trocaram por uma tímida sala de leitura, sob alegação de estorvo no espaço físico, e a pouca procura. Os livros, especialmente para a maior entidade da América Latina que congrega professores e funcionários de escola, – ou o politicamente correto trabalhadores em educação –, não deveriam nunca estorvar os dirigentes sindicais e seus associados.
No barraco da associação dos garis, em São Paulo, os livros não são estorvos, são bem-vindos, são lidos. No CIP Carlos Santos, em Porto Alegre, onde estão os meninos encarcerados, cumprindo medidas sócio-educativas, existe uma biblioteca e os meninos, mesmo encarcerados lêem e são incentivados a ler. No bairro operário das Rocas, em Natal, há um humilde pescador que coleciona livros, empresta para os vizinhos e doa para as crianças que o procuram. Nos pobres barracos e no bairro humilde potiguar os livros não incomodam.
No sexagenário e combativo CPERS-Sindicato os livros estorvam, incomodam e precisam ceder os espaços e salas para as múltiplas correntes ideológicas que permeiam os nossos lideres. Nossa entidade está acorrentada sim e as correntes aprisionam. Uma prova do aprisionamento nos elos do dogmatismo é o silêncio sobre o julgamento do presidente do Senado Federal ou sobre a não inclusão da Filosofia e da Sociologia nos currículos das escolas estaduais, apesar de aprovada pelo Conselho Federal de Educação no ano passado. Aulinhas de Filosofia e Sociologia são complementos já disse uma proeminente líder classista, na última greve. Provavelmente a história não a absolverá, as lideranças passam, a história continua com a ética ainda precisando sair das retóricas discursivas.
[1] Professora de Filosofia no ensino médio e universitário, coordenadora do PENSARE

sábado, 29 de maio de 2010

AMOR EM TEMPOS CÓSMICOS





Se foi o cumprimento de uma antiga profecia, ou estava escrito nos desígnios das estrelas, não importa – os mistérios nunca serão desvendados – sob o risco de não serem mais mistérios. Nem nós queremos! O certo é que, naquele dia, embebidos pela imprevisibilidade dos tempos, estávamos separados e em pontos opostos no planeta, entrecruzados por meridianos e paralelos, linhas, retas, graus e complicadas escalas geométricas.
Olhávamos embevecidos, sem saber da existência um do outro, o movimento de rotação da terra, até ficarmos bastante tontos e sonolentos devido ao balanço cósmico. Tal como Pascal, em outros séculos, percebemos que os espaços infinitos são apavorantes e por isso nos sentíamos irremediavelmente sós, entediados, aborrecidos e desencantados, com nossas sinucas existenciais diante da realidade barulhenta que nos circundava. O que nos restou fazer, quem sabe como única alternativa, foi deixar nossos corpos e nossos sentimentos viajarem ao sabor dos ritmos celestes. E assim o fizemos intuitivamente.
Num impulso, jogamos nossas redes no universo, navegamos a favor das aragens, enfrentamos tormentas, tempestades, ciclones, maremotos, tufões, terremotos e calmarias. Ignoramos, propositadamente, os sinais confusos dos aparelhos náuticos que estavam ao nosso alcance com suas formas indecifráveis e, como náufragos sem bússola, nos cruzamos enredados em teias indescritíveis – atraídos, certamente, por uma inexplicável química mágica. Quando sentimos os primeiros sinais de bonança e o vento ficou mais ameno, nos permitimos um espaço de pausa na jornada.
Foi assim que nos vimos pela primeira vez, ou provavelmente nos reencontramos. Não sei se éramos dois estranhos ou velhos conhecidos, a segunda hipótese é a mais provável porque permanecíamos horas e horas do relógio cósmico a contar e recontar histórias e trajetos vividos, curando nossas feridas, despidos de vaidades, das culpas seculares e sem saudades do perdido paraíso terrestre.
Vivenciamos momentos mágicos de intensa ternura, grudados um no outro, com beijos insondáveis e carências milenares. Tentávamos, assim, avidamente, preencher com amor infinito, as lacunas deixadas pelos desamores doloridos que carregávamos como bagagem insuportável, desde que empreendemos a nossa inusitada viagem cósmica. Assim, rejuvenescemos a olhos vistos, os incômodos sinais do tempo se atenuaram e, como éramos atemporais, sabíamos que no tempo cósmico nunca se envelhece.
Se estávamos numa ilha paradisíaca, ou em qualquer outro acidente geográfico convencional, constituia-se numa questão nada importante para nós. Fascinados um pelo outro, dispensamos a razão instrumental, os blocos de anotações, os computadores e nos guiamos por outros paradigmas intuitivos, sentimentais, amorosos que até então ignorávamos e relutávamos em nos permitir.
Passeávamos de mãos dadas, colhíamos as raízes e nos alimentávamos da luminosidade solar e da energia do universo. Os teimosos raiozinhos de sol nos abençoavam e, em cada grão de areia que pisávamos, estava ali presente a sabedoria de milênios. Aprendemos a ler nas estrelas, no movimento dos astros, nas pegadas da praia, no colorido das plantas e nos desenhos dos penhascos. Morríamos de rir, quando víamos que muitos penhascos tinham a nossa imagem, talvez como marcas registradas dos nossos tropeços terrenos.
Assim, experimentamos e nos apropriamos do melhor dos tempos à disposição dos humanos: o tempo da delicadeza. Um tempo para o qual é preciso optar pelo mundo dos sonhos, experimentar a felicidade como uma idéia nova e fugir das sombras do medo.



Ivone Bengochea




quarta-feira, 19 de maio de 2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Multidões



NO MEIO DO CAMINHO
TEM UM RELÓGIO
O TEMPO ESTÁ A SEUS OLHOS
OU ÀS SUAS MÃOS?

A CADA PASSO, UM PULSO...
SEGUE-SE O CONCRETO
PRESO AO ABSTRATO.


Gilmar Chiapetti

sábado, 17 de abril de 2010

WALTER BENJAMIM,KLEE, ANGELUS NOVUS, A USINA DE BELO MONTE

O MOSTRUOSO APARATO DO PROGRESSO ESTÁ MATERIALIZADO NO ANGELUS NOVUS DE PAUL KLEE, 1939. O FILÓSOFO WALTER BENJAMIM ASSIM ESCREVE:."Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu rosto está dirigido para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as dispersa a nossos pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. Essa tempestade é o que chamamos progresso". Walter Benjamin, Teses sobre o conceito da história.

Belo Monte está deixando de ser belo para se transformar em mostruoso aparato do progresso com a insistência do governo federal em construir uma usina.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

VÍDEOSFILO

http://www.tu.tv/videos/filosofia-aqui-y-ahora-programa-1

ACESSE AOS VÍDEOS SOBRE FILOSOFIA

SÃO PRIMOROSOS

quarta-feira, 7 de abril de 2010

VINHO

Em que Reino, em que Século, sob que silenciosa
Conjunção dos Astros, em que dia secreto
Que o mármore não salvou, surgiu a valorosa
E singular ideia de inventar a Alegria?
Com Outonos de ouro a inventaram.
O Vinho flui rubro ao longo das gerações
Como o rio do tempo e no árduo caminho
Nos invada sua música, seu fogo e seus leões.
Na noite do júbilo ou na jornada adversa
Exalta a alegria ou mitiga o espanto
E a exaltação nova que este dia lhe canto
Outrora a cantaram o Árabe e o Persa.
Vinho, ensina-me a arte de ver minha própria história
Como se esta já fora cinza na memória...
De Jorge Luís Borges.

quarta-feira, 31 de março de 2010

terça-feira, 23 de março de 2010

BIBLIOTECA

Minha biblioteca

Pátria e lar do pensamento,
porto do coração.
Minha loja de sonhos, mercado de emoções
onde faço pelas madrugadas a minha "feira"
para reabastecer meu espírito de realidades e ficções
e sobreviver.

Aí estão as prateleiras sortidas, estoques inesgotáveis
de fantasias a experiências
para a minha fome de conhecimentos, minha sede
de descobertas,
minhas ânsias de beleza.

É só estender a mão e colher o livro
como um fruto maduro que lentamente degusto
e, milagrosamente,
permanece inteiro, íntegro, intacto
entre folhas e flores
e surpreendentemente se renova e multiplica
em inusitados sabores.

Minha biblioteca
parque de papel e palavras
onde me perco em andanças e onde me reencontro
em tantos caminhos desconhecidos,
bosque de tantos livros, como as árvores
com quem Beethoven conversava
em seu bosque de Bonn.

Meus livros, companheiros pacientes e silenciosos
com quem dialogo horas sem conta,
que não discutem, não alteiam a voz
em tantas discordâncias inevitáveis,
e humildemente se fecham e se recolhem
a um simples gesto meu de impaciência, cansaço
ou de sono.

Minha biblioteca,
abrigo certo
oásis de águas e sombras
no imenso deserto,
que me faz decolar de tantas realidades
e planar como uma asa-delta
sozinho, sobre paisagens insuspeitadas.

Minha biblioteca,
pousada no caminho
onde me sento, a pensar,
e onde chego a esquecer que há um mundo
rosnando ameaças ao redor,
e adormeço como um menino
feliz..

(Poema de JG de Araujo Jorge
do livro "Tempo Será" – 1986 )














.......

domingo, 21 de março de 2010

Não sei quantas almas tenho


Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu

terça-feira, 16 de março de 2010

Epílogos

Gregório de Matos



Epílogos




Que falta nesta cidade?................Verdade

Que mais por sua desonra?...........Honra

Falta mais que se lhe ponha..........Vergonha.



O demo a viver se exponha,

Por mais que a fama a exalta,

numa cidade, onde falta

Verdade, Honra, Vergonha.



Quem a pôs neste socrócio?..........Negócio

Quem causa tal perdição?.............Ambição

E o maior desta loucura?...............Usura.



Notável desventura

de um povo néscio, e sandeu,

que não sabe, que o perdeu

Negócio, Ambição, Usura.



Quais são os seus doces objetos?....Pretos

Tem outros bens mais maciços?.....Mestiços

Quais destes lhe são mais gratos?...Mulatos.



Dou ao demo os insensatos,

dou ao demo a gente asnal,

que estima por cabedal

Pretos, Mestiços, Mulatos.



Quem faz os círios mesquinhos?...Meirinhos

Quem faz as farinhas tardas?.........Guardas

Quem as tem nos aposentos?.........Sargentos.



Os círios lá vêm aos centos,

e a terra fica esfaimando,

porque os vão atravessando

Meirinhos, Guardas, Sargentos.



E que justiça a resguarda?.............Bastarda

É grátis distribuída?......................Vendida

Que tem, que a todos assusta?.......Injusta.



Valha-nos Deus, o que custa,

o que El-Rei nos dá de graça,

que anda a justiça na praça

Bastarda, Vendida, Injusta.



Que vai pela clerezia?..................Simonia

E pelos membros da Igreja?..........Inveja

Cuidei, que mais se lhe punha?.....Unha.



Sazonada caramunha!

enfim que na Santa Sé

o que se pratica, é

Simonia, Inveja, Unha.



E nos frades há manqueiras?.........Freiras

Em que ocupam os serões?............Sermões

Não se ocupam em disputas?.........Putas.



Com palavras dissolutas

me concluís na verdade,

que as lidas todas de um Frade

são Freiras, Sermões, e Putas.



O açúcar já se acabou?..................Baixou

E o dinheiro se extinguiu?.............Subiu

Logo já convalesceu?.....................Morreu.



À Bahia aconteceu

o que a um doente acontece,

cai na cama, o mal lhe cresce,

Baixou, Subiu, e Morreu.



A Câmara não acode?...................Não pode

Pois não tem todo o poder?...........Não quer

É que o governo a convence?........Não vence.



Que haverá que tal pense,

que uma Câmara tão nobre

por ver-se mísera, e pobre

Não pode, não quer, não vence.



* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *



TODA SEMELHANÇA COM OS GOVERNOS: MUNICIPAL, ESTADUAL E FEDERAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA

domingo, 14 de março de 2010

ECCE HOMO


SIM, EU SEI MUITO BEM DE ONDE VENHO!
INSACIÁVEL COMO A CHAMA NO LENHO.
EU ME INFLAMO E ME CONSUMO.
TUDO O QUE EU TOCO VIRA LUZ,
TUDO O QUE EU DEIXO CARVÃO É FUMO.
CHAMA EU SOU, SEM DÚVIDA.

domingo, 7 de março de 2010

Denúncia


Tatiana Félix *

Adital -
Após denunciar máfias do tráfico de seres humanos e as redes de abuso sexual de menores em municípios próximos à região de fronteira do estado do Pará, na região Norte brasileira, o bispo da Ilha do Marajó, Dom José Luis Azcona, foi o responsável pela abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia em 2008, que investigou as rotas do tráfico e as redes de exploração sexual na região.
O bispo disse que tomou conhecimento de um dos primeiros casos concretos de tráfico em novembro de 2007, quando uma adolescente de 16 anos, da cidade de Portel (PA), foi presa pela Polícia Federal (PF) no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) antes de embarcar para Madri, na Espanha. Na ocasião ela relatou à PF que dias depois um grupo de meninas seguiria o mesmo destino. A rota identificada saía de Portel, seguia por Breves (PA), Belém (PA), Guarulhos e daí para o exterior.


Por causa das denúncias, ele e outros dois bispos, dom Flávio Giovenale, da Diocese de Abaetetuba, e dom Erwin Krautler, da Prelazia do Xingu, foram ameaçados de morte. "Somos três bispos ameaçados de morte por termos denunciado. Pelo que se consta, há por detrás um grupo forte e influente e, por isso, as autoridades não fazem investigação", desabafou Azcona.

A exploração sexual é uma das principais atividades e vias de acesso para o tráfico de seres humanos. As cidades de Portel, Breves, Belém, Ilha de Marajó, no Pará, Oiapoque no Amapá e países como Guiana Francesa e Suriname, se destacam como rotas de intensa atividade desses crimes na região.

Para ele a ausência de embarcações da Marinha na costa brasileira deixa o Brasil desprotegido e vulnerável às atividades das redes internacionais do crime organizado. "É uma problema de segurança nacional. Desde o Amapá até o Pará não se vê nenhum barco da Marinha fazendo fiscalização e apreensão. É uma área aberta para o mundo e de fácil presença de traficantes", criticou. "Do Amapá para a Guiana Francesa a Marinha não se faz presente nunca", reforçou.

De acordo com o religioso a situação da cidade de Breves é muito semelhante à de Portel, onde é comum encontrar crianças e adolescentes circulando entre as embarcações. Os barcos são locais onde acontecem abuso e exploração sexual e também são meios de transporte das vítimas do tráfico de pessoas.

"Em Breves, toda a orla é indicada por moradores como local de concentração de adolescentes exploradas sexualmente. É algo notório, é uma realidade pública, qualquer um pode ir lá comprovar, a área é escura, sem policiamento e com cenário incentivador de situações de abuso e exploração", relatou.

A ilha do Marajó, por estar em região fronteiriça e próxima da Guiana Francesa, apresenta uma situação de fragilização social. "Marajó está se convertendo num lugar de perversão, de criminalidade precisamente pela ausência do Estado. O Brasil tem que olhar para toda essa Região da desembocadura do Amazonas".

Rotas do tráfico humano saem de Marajó em direção à Guiana Francesa e ao Suriname. Ele enfatizou que o arquipélago está abandonado pelas autoridades e a impunidade impera no local.

O bispo Azcona atua no enfrentamento ao tráfico de seres humanos e combate à exploração sexual com ações, principalmente, no município de Breves.

quarta-feira, 3 de março de 2010

PINTURA EM VASOS


PINTURA EM VASOS

CERCAM OS DEUSES
EM VOLTA DOS VASOS
DIZENDO O QUE?
BRINCANDO DE DE QUE?
NÃO SEI
MAS É UMA BELEZA!

LOIS MAENESES

terça-feira, 2 de março de 2010

SILÊNCIO

Silencio
[Poema: Texto completo]
Octavio Paz

Así como del fondo de la música
brota una nota
que mientras vibra crece y se adelgaza
hasta que en otra música enmudece,
brota del fondo del silencio
otro silencio, aguda torre, espada,
y sube y crece y nos suspende
y mientras sube caen
recuerdos, esperanzas,
las pequeñas mentiras y las grandes,
y queremos gritar y en la garganta
se desvanece el grito:
desembocamos al silencio
en donde los silencios enmudecen.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Enterrem minha consciência bem longe deste rio’.


A sociobiodiversidade da Amazônia mais uma vez ameaçada





Paulo Brack *

Adital - Licença para a Hidrelétrica de Belo Monte: ‘o vale tudo por dinheiro’ ou ‘enterrem minha consciência bem longe deste rio’.
A emissão da Licença Prévia, concedida pelo Ibama neste dia 1º de fevereiro de 2010, para a maior hidrelétrica da Amazônia, e a terceira maior do mundo, a usina de Belo Monte no rio Xingu, deixou muitos ambientalistas transtornados. Trata-se, talvez, da pior notícia do final dessa década. Foi anunciada, justamente, três dias após o término do Fórum Social Mundial (FSM) "Um Outro Mundo é Possível"[?]. Combinou com o momento ainda de ressaca da reunião frustrante de Copenhague, onde os governos se escaparam de enfrentar, com compromissos, um dos maiores dramas da atualidade: as Mudanças Climáticas. Pior ainda, coincidiu com o inicio das comemorações de 2010, o Ano Internacional da Biodiversidade, pela ONU.
A situação já era mais ou menos esperada, desde o afastamento do ex-coordenador de licenciamento do Ibama, Leozildo Benjamin, em novembro último, quando as enormes pressões do Ministério de Minas e Energia e da Casa Civil não obtiveram resultado na liberação da licença para que a hidrelétrica fizesse parte do leilão de energia previsto para o fim de ano passado.
O governo brasileiro, por meio de seu Ministro de Meio Ambiente, Carlos Minc, de forma patética - maculando sua longa trajetória de ambientalista e político nessa área - materializa a economia do "vale tudo por dinheiro", justificando que serão cobrados cerca de 1,5 bilhões de reais e 40 medidas em compensações ambientais (ou pseudocompensações?), a uma série de danos, ainda com magnitude incerta.
Com a licença concedida, ficou assegurado o leilão da segunda maior hidrelétrica brasileira (11 mil megawats), e a maior do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), para alegria de Edison Lobão, Ministro de Minas e Energia, da super Ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (a mãe do PAC) e das grandes empresas e empreiteiras de megaobras no Brasil. Felicidade, da mesma forma, para as mesmas empresas imediatistas que financiam as campanhas eleitorais milionárias, com volumes de dinheiro "nunca vistos antes neste País".
Por sua vez, se aprofunda o "faz-de-conta" no licenciamento ambiental do País, onde 99,9% dos empreendimentos ganham o OK dos órgãos ambientais, independentemente da precaução e a provável extinção de espécies, principalmente peixes, plantas e outros organismos de corredeiras e rios caudalosos, processo teoricamente vedado pela Constituição Federal. No outro lado, resta a profunda tristeza e a indignação para os povos indígenas, ribeirinhos da Amazônia, ambientalistas e demais membros da sociedade civil, que lutam há mais de 20 anos contra este projeto monstrengo, representado por Belo Monte. Alguns destes já chamavam o projeto de "Belo Monstro". O restante da sociedade quiçá comece a perceber o desastroso modelo de "desenvolvimento" e de ocupação da maior Floresta Tropical do Mundo. Restarão as ações na justiça, que são várias.
Tudo indica que, liberada a obra, estaremos reproduzindo as tragédias ambientais já conhecidas com as hidrelétricas de Tucuruí e Balbina, com o aumento da destruição ambiental e a disseminação de doenças tropicais associadas a águas artificiais e paradas e a imigração de dezenas ou centenas de milhares de pessoas, de áreas já afetadas por doenças, ligadas às condições precárias do Arco do Desmatamento, que já assola a parte sul do Pará.
Com a hidrelétrica de Balbina, na década de 80, o rio Uatumã, próximo de Manaus, simplesmente morreu e emite altas cargas de gases de efeito estufa (GEE), principalmente o metano. Philip Fearnside, o segundo cientista mais citado no mundo, com relação às mudanças climáticas, afirma que as hidrelétricas, nas condições atuais dos rios brasileiros, são verdadeiras "fábricas de metano", emitindo quatro vezes mais GEE que termoelétricas a combustíveis fósseis. A Eletrobrás tenta desmentir, porém não encontra alguém a altura deste cientista para um possível "contraponto".
A ameaça para a Floresta, os povos indígenas e os demais milhares de ribeirinhos do Pará, muito provavelmente, não se dará somente pelo alagamento de Belo Monte, em seu imenso lago (500 km2), que corresponde a cerca de 50 mil campos de futebol. Ou seja, não se trata exclusivamente de terras a serem alagadas, mas a conversão de ecossistemas lênticos (rios de águas correntes) do rio Xingu em lóticos (lago artificial). Tal mudança traria a extinção de dezenas de peixes de corredeiras, muitos desconhecidos, e o desaparecimento de outros que representam base alimentar estratégica para os povos da região.
A obra, prevista para uma das regiões com maior pressão de desmatamento (rios da margem direita do rio Amazonas), trará inevitavelmente incremento à ocupação trágica, já verificada para os municípios de Altamira e arredores, onde as grilagens e os conflitos de terra, aliados à derrubada da floresta e sua conversão em pastagens, atingem níveis astronômicos. Tal fato, relacionado à migração em massa para a Amazônia, já foi verificado em Rondônia, e denunciado por fiscais do Ibama daquele Estado, quando constataram que a leva de migrantes e a atividades econômicas desordenadas, atraídos pelas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, estaria ligado ao aumento local de desmatamento em mais de 600%, verificado em 2007.
Hoje, segundo documento sobre ameaças ecológicas na Amazônia, realizado pelo Instituto Socioambiental, existem 83 hidrelétricas funcionando, sendo planejadas outras 247 na região. Menos de 30 projetos podem afetar até 44 mil pessoas, sendo que mais de 40% das obras atingiriam terras indígenas. Para piorar a situação, muitas hidrelétricas interrompem os corredores ecológicos, obliterando as artérias de vida representadas pelos rios, onde as escadas de peixe não têm viabilidade alguma, ou também por meio de projetos associados, de eclusas e hidrovias, para a navegação de produtos de exportação do agronegócio, como grãos, principalmente a soja, e minerais, em detrimento da floresta. Fortalece-se, assim, o chamado agro-hidronegócio.
O Instituto Socioambiental destaca também a falta de políticas públicas com relação às verdadeiras vocações da região. Segundo esta entidade, as políticas públicas buscam atender demandas externas e não as da própria população amazônica, por meio da implantação de grandes projetos de infraestrutura, prioridade dos governos para a região há décadas, resgatando projetos do regime militar. "O Estado está presente na Amazônia, mas de forma esquizofrênica: enquanto tenta, a muito custo, tirar do papel ações ainda incipientes de controle do desmatamento, financia - por meio de instituições como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), outros bancos regionais e estaduais - atividades que estão destruindo a maior floresta tropical do planeta".
Os programas governamentais, em especial o PAC, não tem a mínima compreensão da real sustentabilidade ecológica e o papel estratégico nos âmbitos climático, econômico e socioambiental da Floresta Amazônica. Não interessa aos governos e aos grandes conglomerados que explorarão a energia desta nova usina, os direitos dos indígenas, a extinção de espécies e o efeito dominó de degradação representado por mais uma obra faraônica no coração da Amazônia, já ferida. No caso do PAC, a concepção de desenvolvimento sem sustentabilidade é ilustrada nos documentos oficiais, quando a palavra "ambiente", no sentido ecológico, praticamente é substituída pela expressão "ambiente de investimentos".
O verdadeiro entrave para a redenção deste País não é a demora ou complicações nos processos de licenciamento ambiental e sim a velha concepção do crescimento econômico, onde a biodiversidade, ainda muito desconhecida, e as culturas milenares locais não valem nada. Sem raízes, tudo perde seu sentido. Infelizmente, para aqueles que ambicionam poder econômico e/ou político, e que se apoderam dos mecanismos de Estado e subjugam os demais, tudo vale, menos o diálogo, o respeito à democracia e à natureza.
A energia deveria ser um bem de interesse público e não uma mercadoria. No Brasil, parece que acontece o contrário. Desde o governo FHC, quando das privatizações, mais de 70% da produção e distribuição de energia está nas mãos de grandes empresas privadas, nacionais ou multinacionais. Nossa energia e nossa água acabam indo para exportação de produtos com baixo valor agregado. O atual modelo do setor é centralizado em grandes obras, fato que invariavelmente traz também imensos impactos ambientais.
Estamos consolidando no Brasil um modelo de mercado, onde nossos rios são leiloados e nossa sociobiodiversidade negligenciada e ameaçada. Colocamos em risco a maior floresta tropical do mundo para ressuscitar um modelo de gigantismo do crescimento econômico, concentrador, que surgiu na última década de 70, porém com métodos autoritários e de dissuasão que deixariam os ex-governantes militares com inveja.

* Biólogo, professor do Instituto de Biociências da UFRGS e membro da coordenação do Ingá -

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

CONSCIÊNCIA E IDENTIDADE DA AMÉRICA




/>
CONSCIÊNCIA
E IDENTIDADE
DA AMÉRICA





Aos latino-americanos da minha geração coube um estranho destino que por si só bastaria para
diferenciá-los dos europeus; nasceram, cresceram, amadureceram, em função do concreto
armado... Enquanto o europeu nascia, crescia, amadurecia, entre pedras seculares, velhas
edificações modificadas ou anacronizadas somente por alguma tímida inovação arquitetônica, o
latino-americano nascido nos albores deste século de inventos prodigiosos, mutações, revoluções,
abria os olhos no âmbito de cidades que, quase que totalmente estagnadas durante o século XVII
ou XVIII2, com um baixíssimo aumento de população, começavam a agigantar-se, a estender-se,
a espalhar-se, a elevar-se, ao ritmo das misturadoras de concreto. A Havana que percorri na
minha infância era ainda parecida à de Humboldt; o México que visitei em 1926 era ainda o de
Porfírio Diaz; a Caracas que conheci em 1945 era ainda muito semelhante à Caracas descrita por
José Martí.
E, de repente, eis que nossas modorrentas capitais se tornaram cidades de verdade (anárquicas
em seu desenvolvimento repentino, anárquicas em seu traçado, excessivas, desrespeitosas em
seu afã de demolir para substituir), e o nosso homem, consubstanciado com a cidade, torna-se
homem-cidade, homem-cidade-do-século-XX, quer dizer: homem-História-do-século-XX, em
povoados que rompem com seus valores tradicionais, passam, em poucos anos, pelas tremendas
crises de adolescência e começam a firmar-se com características próprias, ainda que em
atmosfera caótica e desacertada.
O latino-americano viu surgir, nesta época, uma nova realidade, realidade da qual foi juiz e
parte, criador e protagonista, espectador atônito e ator principal, testemunha e cronista,
denunciante ou denunciado. "Nada do que me cerca me é alheio3" poderia dizer, parafraseando o
humanista renascentista. "Isto foi eu que fiz, aquilo eu vi construir; aquilo mais adiante me
prejudicou ou eu amaldiçoei. Mas fiz parte do espetáculo - seja como ator principal, testemunha e
cronista, denunciante ou denunciado.
"Nada do que me cerca me é alheio" poderia dizer, parafraseando o humanista renascentista.
"Isto foi eu que fiz, aquilo eu vi construir; aquilo mais adiante me prejudicou ou eu amaldiçoei. Mas
fiz parte do espetáculo - seja como ator principal, seja como corista, ou como coadjuvante"... Mas,
montado o cenário, colocadas as bambolinas, pendurados os telões, é preciso ver, agora, o que
vai ser reapresentado - comédia, drama ou tragédia - no vasto teatro de concreto armado.
1 Discurso pronunciado por Alejo Carpentier na Aula Magna da Universidade Central da Venezuela, a 15 de maio de 1975, por ocasião
da homenagem que lhe renderam a própria Universidade, o Ateneu de Caracas, a Associação de Escritores Venezuelanos e a Associação
Venezuelana de Jornalistas. (Nota do comentarista)
2 Carpentier, a partir de diversas etapas de sua vida, alude à temporalidades históricas do século passado, patentes
em três importantes cidades latino-americanas: Havana, de sua infância (primeiros anos do século XX) é ainda de Alejandro de
Humboldt (1769 - 1859), eminente naturalista alemão que viaja por todo o continente americano entre 1799 e 1804. Pela sua
extraordinária visão de natureza de Cuba foi chamado "seu segundo descobridor"; Cidade do México, que visita pela primeira vez em
1926, continua sendo de Porfirio Díaz (1830 - 1915), figura marcante da história política mexicana. Seu governo autoritário, conhecido
como "porfirato" (1876 - 1911) desemboca na eclosão da Grande Revolução Mexicana (1910). Caracas é onde vive a partir de 1945, e
está muito próxima da escrita por
José Martí (1853 - 1995), principal personalidade da história revolucionária cubana, que durante a primeira metade de 1861, reside na
Venezuela.
3 Carpentier alude à célebre expressão de Terencio (190? - 159 a.C.) em sua obra teatral El



A BARBARIE
É UMA NARRATIVA
SEM FIM.

sábado, 30 de janeiro de 2010

Pitágoras e a harmonia do universo




Pitágoras foi viajante dos mares, terras, assim como do espírito.

Pesquisou sobre o uso da harmonia, do belo e da música.

Viu o mundo contido no número e a possibilidade de seu enigma.

Pitágoras e a harmonia do universo

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Mitologia dos Orixás

Mitologia dos Orixás
Houve um tempo em que os Orixás viviam no outro lado do oceano.
Mas depois tiveram que vir para o lado de cá,
para acompanhar seus filhos que foram trazidos como escravos.
Assim vieram todos e assim veio Oxaguiã.
Oxaguiã veio boiando na superfície do mar,
navegando no tronco de uma árvore.
A travessia durou muito tempo mais de um ano.
Foi nessa viagem que Oxanguiã conheceu Iemanjá,
que era a dona do próprio mar em que viajava Oxaguiã.
Logo se conheceram e logo se gostaram.
Oxaguiã era moço, forte e corajoro;
Iemanjá era mulher bonita, destemida e sedutora.
Iemanjá engravidou de Oxaguiã
e nove meses depois deu à luz a um menino,
que já nasceu valente e forte, querendo guerrear.
Mais tarde chamaram o menino de Ogunjá.
Porque o guerreiro gostava de comer cachorro.
Sempre que ia à guerra, a mãe o acompanhava
e então todos a chamavam de Iemanjá Ogunté,
Oxaguiã e Ogunjá formam uma família de gueirreiros.
Eles são muito festejados no Brasil.


sábado, 23 de janeiro de 2010

domingo, 17 de janeiro de 2010

VENTO



COMO O TEMPO CUSTA A PASSAR QUANDO A GENTE

ESPERA.

PRINCIPALMENTE QUANDO VENTA.

PARECE QUE O VENTO MANEIA O TEMPO.

ÉRICO VERÍSSIMO

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Branco

O começo o cimento
a semente latente
a palavra na ponta da língua inaudível
impar
grávida
nula
sem idade
enterrada com os olhos abertos
promíscua
a palavra
sem nome
sem fala

sábado, 2 de janeiro de 2010

Tempo

परा
PARA VER O MUNDO EM GRÃO DE AREIA
E UM CÉU EM UMA FLOR SILVESTRE
SEGURA O INFINITO NA PALMA DE TUA MÃO
E A ETERNIDADE EM UMA HORA.

WILLIAN BLAKE ( 1757-1827)